terça-feira, 9 de dezembro de 2014

Emoção

Me sinto um pouco emocionada hoje; me sinto  "adolescente", alias, tenho muito de adolescente em mim.[Apenas para constar,não que isso seja algo negativo, mas  relaciono a uma fase da vida, vivencias e lembranças particulares]
Falo adolescente,pois o que estou sentindo agora  remete muito a certos sentimentos que surgiam com bastante frequência nessa época da minha vida,  e isso inclui receios imensos e medos bem característicos dessa fase. Não sei se estou muito certa em falar isso dessa forma, mas enfim, eh como consigo expressar o que sinto neste instante.
Penso que exista uma espécie de buraco existencial advindo do que posso chamar de falta de experiências vivenciadas na época certa, onde descobrir,experimentar(experenciar) e errar fossem caminhos mais aceitáveis e naturais para aquela época/fase adolescente(especialmente para mim mesma, eh um sentimento que tenho hoje,não que eu considere/ouça/siga este sentimento o tempo todo,mas ele existe e aparece em determinados momentos).
Não consegui conquistar muito do que quis nessa fase, ao menos nada que considere ou considerasse grandioso e juro,não estou com coitadismo, eh uma realidade,  me deixou com frustrações que irei carregar para o resto da vida.
Posso dizer que sou fã de algumas pessoas e gostaria que elas fizessem parte da minha vida, pois sinto   amor por elas, ou pelo menos eh um sentimento que se assemelha muito ao  amor.
Pode ser uma necessidade de preencher o buraco do meu EU/EGO com um outro que considero como MAIS. Um outro mais bonito,mais inteligente,mais esperto,mais capaz, mais amado, mais interessante...E ter um alguém "MAIS" comigo,se relacionando comigo, me amando e me aceitando,  adicionaria um MAIS a mim, um mais que sinto que preciso e que falta no meu EU.

(continua)(ajeitar/teclado sem algumas pontuações)
quinta-feira, 27 de setembro de 2012

Vivenciar o improvável

Gostaria de poder redefinir minha vida de tempos em tempos, adquirir talentos que considero incríveis e experimentar o que nunca experimento. Provavelmente isso seja liberdade. A liberdade que ainda não consegui conquistar.

Ok,existem coisas que são  praticamente certas de permanecerem impossíveis, no mínimo improváveis na vida. Mas o desejo de vivenciar o que é incrível, o que faz brilhar os olhos, prevalece mesmo assim.
Por exemplo, algo que eu adoraria muito poder fazer bem, que sempre passa pela minha imaginação,é cantar. E cantar para uma platéia.
Porém, além de não ser dona de uma bela voz cantante, meu medo dos olhares jamais permitiria que o fizesse, pois nem mesmo um trabalho acadêmico me faz querer encarar olhares.Chego a fugir quando posso! Os olhares tornam-se ameaçadores para mim. Nesse caso,tal façanha não passaria de apenas desejo.

Dançar seria uma outra opção incrível e que talvez pudesse ser mais provável. Creio que com esforço me sairia bem. Mas deixo isso para um futuro próximo ainda, quando apenas detalhes pararem de me incomodar e ameaçar.
Como encarar o medo? Como ser livre de verdade?
terça-feira, 17 de julho de 2012

Dias

Adoraria poder me sentir inspirada todos os dias.
Como se recebesse uma espécie de banho de energias boas a cada  dia. E que cada banho trouxesse  o sorriso do prazer de me sentir inteira, de ser apenas quem sou, independente do tamanho de qualquer perda ou ganho diário. Estar/ficar focada, ter vontade de fazer sempre mais,experimentar o novo,respirar contente. Inspirar-me  para cumprir o que devo,o que prometo a mim mesma, o que idealizo em meus sonhos. E me sentir satisfeita e aliviada, enfim.

Gostaria de me sentir "certa" todos os dias. Seguir um rumo, uma disciplina. Como é difícil!

terça-feira, 10 de julho de 2012

...

Que vazio! Me sinto sem talento, sem sorte, sem vida! Nada tenho a oferecer!

>_<
terça-feira, 19 de junho de 2012

Hoje, apenas hoje...

Hoje apenas quero me encantar.  =)

Estou com a garganta um pouco dolorida e com a sensação de começo de resfriado. Oh,no! Muitas tarefas ainda permanecerão pendentes!


Como gostaria de deixar este blog bonito! Gostaria também que ao menos um pequenino grupo de pessoas me acompanhasse aqui, mas percebo que este feito não será possível tão cedo. Nada tenho(no momento) de tão interessante assim.
 Oh,Deus, cadê meus talentos voltados para a arte? Teria, eu, algum?
terça-feira, 29 de maio de 2012

My Birthday, my day. =)

Amanhã, dia 30 de maio, farei 27 anos.
Acho um pouco estranho pensar que estou chegando perto de completar 30 anos, porque me vejo muito como uma garotinha até hoje.

Possuo desejos que tenho receio de não conseguir realizar. Confesso um sentimento um tanto louco (e creio que um tanto coerente com a realidade do mundo mesmo).

Eu tenho certo medo de ser uma pessoa muito correta em tudo, no sentido de perfeitinha demais (estudiosa, vaidosa, determinada, boa esposa, bonita, magra, disciplinada, etc...), estar no auge da minha alegria e, neste momento da vida, de repente, acontecer algo ruim comigo, como uma doença, ou um acidente, ou até mesmo morte.
 Sinto como se os defeitos que tenho  fossem necessários, pois é como se a existência deles  ajudassem a me manter na Terra.
Ah, isso é muito insano e me faz recuar um pouco de certos caminhos que deveria trilhar. Mas eu sei, mesmo que eu fique mais perto de me tornar "ideal",dificuldades sempre virão. Nunca nada será necessariamente perfeito.
Talvez eu tenha medos demais.Talvez sejam desculpas inconscientes para não me esforçar a dar o meu melhor. E ao mesmo tempo eu tenho muito medo de passar por este mundo e não ser reconhecida por nada, nunca.

*Na véspera do meu aniversário, um post meio "nonsense". É até esquisito explicar esses sentimentos. Hoje não estou muito capaz para isso.


segunda-feira, 26 de março de 2012

Reflexão sobre o uso da Venlafaxina

Acabo de ler o seguinte em um site:


Efeitos colaterais menos graves da venlafaxina podem incluir:

1)Sonolência, tonturas, sensação de nervoso;
2)Sonhos estranhos;
3)Aumento da transpiração;
4)Visão embaçada;
5)Boca seca;
6)Alterações no apetite ou peso;
7)Náusea leve, constipação, ou
8)Diminuição da libido, impotência, dificuldade ou ter um orgasmo.


Destes efeitos, sinto os seguintes:


Sonolência;

Sonhos estranhos;

Aumento da transpiração;alterações no apetite ou peso.



+ Sinto tanto sono que sou capaz de dormir o dia inteiro. Fico cansada com facilidade só de acordar cedo, pela rotina leve, por causa de um fim de semana um pouco mais agitado.  Mas creio que não é apenas pelo uso da medicação, mas também pelo costume de me manter muito tempo paradona, em frente ao computador.

E mesmo me mantendo "bastante parada" e em casa, sinto bastante sono e parece que sinto mais sono durante o dia também. Basta acordar um pouco mais cedo que o cansaço toma conta de mim e o dia não rende. Mas claro, há excessões e há dias que consigo me sentir menos sonolenta e fico mais disposta, independente da situação.

+Acordar cedo tornou-se algo extremamente complicado, é desgastante, já que não consigo, não tenho costume de ir dormir cedo. Tenho a necessidade de dormir de 10 a 12 horas por dia, no mínimo.


+ Tenho sonhos muito estranhos principalmente nas noites dos dias que, por algum motivo, não tomei a medicação.


+ Qualquer esforço físico mínimo me faz transpirar litros. Até mesmo segurar um bebê no colo.


+ Já tomei a Venlafaxina há alguns anos(2007) e parei. Engordei bastante e quando suspendi o uso, emagreci 15 Kg. Mas fiz dieta na época também. Voltei a fazer uso dela por volta de 2009/2010 e hoje ganhei todo o peso que perdi. Não consigo conter a vontade de comer alimentos doces(geralmente com chocolate).




Hoje estou em um desses dias de muito sono e cansaço. Dormi por volta de meia noite, acordei às 10:30. Não fui para a faculdade. Dormi a tarde novamente e agora, quase as 20:00, já sinto sono de novo.


O fim de semana foi muito legal e diferente. Comemoramos o aniversário do Tiago e do Deivid com um churrasco, que durou o fim de semana todo. =)


Eu e a Ana fizemos os bolos de chocolate deles. Um deles se quebrou e com os pedaços fizemos duas travessas de pavê. Cozinhamos na sexta-feira até pelomenos 2:30 da manhã, mas apenas fomos dormir pelas quase 4:00 da manhã. No outro dia fizemos o feijão fradinho e a cobertura do bolo que não quebrou.
A Fia também compareceu ao churrasco e  levou aquela tortinha dela que eu amo.
Sábado fui dormir as quase 4:00 da manhã de novo. Ontem eu já estava morta de cansaço e hoje continuo cansada.(pessoa mole)



É muito bom ter amigos, estar com eles,comemorar a vida. Mas a chatisse do cansaço aparece depressa em mim. Fico esgotada. Creio que a Venlafaxina contribua com isso, até porque não fiz uso dela no sábado. E ficar um dia sem tomar, já mexe bastante comigo.

Bom,isso tudo foi uma espécie de reflexão pelo meu uso da Venlafaxina e aproveitei para citar um pouco do que aconteceu neste fim de semana. Percebo que a medicação realmente deve fazer a diferença com relação a minha disposição e energia, assim como meu estilo de vida deve ter um peso forte também sobre o que  meu corpo sente. O nosso corpo sente,claro. E eu não sou mais tão novinha assim e preciso me cuidar mais. 



Fico imensamente agradecida pela minha vida e pelas pessoas que amo e adoro estarem perto de mim. Por isso considero o fim de semana perfeito. Foi muito legal e eu preciso fazer mais isso.
Obrigada, universo!
Obrigada, Ana e Diego.
Obrigada, Tip e Fia.
Obrigada a quem faz parte da minha vida e é verdadeiro e sincero comigo.
Obrigada,Venlafaxina! 

Bom ,não sei quando irei conseguir me livrar da Venlafaxina. >_<Mas ela ainda me faz mais bem do que mal.


Nyah, por hoje é só. Devo ter feito uma salada de letras.Não sei se mudei de assunto do nada totalmente ou se tudo fez sentido de fato. É que aproveitei para citar o caso do final de semana.
Ninguem irá ler mesmo. LOL *forever alone e falando sozinha*





Ps:Tenho preguiça de usar crase.
quarta-feira, 7 de março de 2012

Citando a humildade. Um pequeno desabafo.

Há pessoas com grande talento para criar.
E criar coisas com uma beleza incrível e muitas vezes imcomparável.
Do que estou falando?
Podem ser fotos, desenhos, textos, costuras, layouts, blogs, enfim, com isso surgem milhões de elogios, o que é bem natural e também reforçador para o criador.
É interessante e motivador  ter os esforços reconhecidos.=)


 Porém, não sei se faço mal em dizer, ou se  estou julgando mal (odeio usar essa palavra "julgar", mas não consegui pensar em outra palavra no momento).
Tenho a sensação, que enfatizo, não sei se é errada, pode ser sim apenas uma percepção  minha de momento ou até complexo de inferioridade por não atingir certos ideais(é um ideal para mim, por exemplo,desenhar bem), mas há entre algumas pessoas, um seleto grupo, que com o passar do tempo parece faltar com uma certa dose de humildade.
(talvez coubesse de fato a palavra julgar, já que não posso dizer tal coisa de forma precisa de quem  conheço e mal conheço geralmente apenas  pela internet. Mas é a sensação que fica para mim, e que fique bem claro, é percepção minha, nada universal. Até porque tem a ver com as minhas relações interpessoais. Ou seja, no final das contas, falo mais de mim do que do outro.)

 Como assim?
Essas pessoas parecem querer apenas fazer parte de um mundo perfeito, com pessoas perfeitas e igualmente talentosas como elas.

Sim, pelo visto isso é algo meu, que me toca e me angustia.

 Primeiro porque nunca me senti inserida dentro de uma "tribo" propriamente dita. Segundo,  parece que essas pessoas por quem tenho grande admiração acabam por tornar-se "intocáveis", inatingíveis para mim. Como um mercado segmentado, onde o ruim é separado do que é bom. E terceiro, porque estou longe de qualquer tipo de perfeição e não quero nunca viver evidenciando sempre a minha "aparência".
(não quero ser mal interpretada quando falo de aparência, por isso as aspas)

É bem provável que essas pessoas sejam até um pouco como eu e precisem BASTANTE de quem as traga inspiração. Ou mais inspiração.  Será que para essas pessoas a perfeição precisa ser constante ou mais presente?
No meu caso, as relações com as pessoas não ocorrem tão facilmente. E como me sinto? Extremamente deslocada.

Sabe o clichê de dizer que o dinheiro e o poder mudam as pessoas? É mais ou menos disso, nesse sentido, que estou falando. O dinheiro ou no caso o reconhecimento contínuo, não deveriam "mudar" o comportamento de uma pessoa de maneira que ela pareça perder certos "valores"(pareça,ok?). Ou ela não os tinha verdadeiramente ou escondeu para usar quando quiser ou precisar. Não dá para saber.

Pode tudo ser também um grande exagero meu e uma enorme bobagem.
Eu sou cheia de bobagens.

Eu admiro muito mais a simplicidade e a humildade do que qualquer talento. Não acho que estou falando nenhuma asneira tratando-se disso. Mas também não é uma necessidade  provar a qualidade de ser humilde. Quem verdadeiramente é, não o faz.
Percebe-se isso com o dia a dia,o tratamento dado às pessoas, a vida cotidiana mesmo.

Espero conseguir ainda ser admirada por quem admiro, pois essa sensação deve ser muito boa. E que eu realmente consiga ser uma pessoa humilde, sem tantas frescuras.
É, talvez o termo correto seja frescura e não falta de humildade.

Conclusão---> Que seja enfatizado também que a percepção é dada pelo momento e experiências que tive. [Quando tento fazer parte de um grupo legal, com meninas bonitas, inteligentes e interessantes, nunca dá certo. E isso acontece na vida real também. Sempre que tento conversar com alguém interessante na internet, logo essa pessoa me "evita". Ah, tem um grupo de garotas que tentei até fazer amizade, mas talvez não tenha investido direito, e esse grupinho "está junto". São todas meninas lindas, com bastante criatividade, talento e existem muitas pessoas que as admiram. Então...
Não quero me importar mais! =) Ficarei no quartel das feias. LOL]

Conclusão 2---> Bom,eu sei que tenho capacidade para aprender e ser ótima em quase tudo, depende bastante do meu esforço. O esforço é algo que quero copiar dessas garotas e considero sim que elas são extremamente admiráveis, apesar das sensações e percepções que já citei. Embora me sinta menor(sempre faço isso), tenho essas pessoas como modelo em relação a alguns itens.

**Surgiu em mim um sentimento de culpa. É absolutamente normal essas sensação surgir sempre que penso em  fazer críticas ou desabafos onde existe o comportamento do outro em questão e o meu desconforto. Mas sinto que é necessário colocar para fora de alguma maneira. Também percebo que não consigo descrever tudo o que sinto direito em palavras. É como se as palavras fossem embaralhando ao mesmo tempo que saem.**